Comunità Italiana in Brasile
Cidadania Italiana
(Algumas dicas)

São muitos que escrevem indagando sobre a possibilidade de adquirir cidadania italiana.
Ao longo do tempo foram recebidos muitos mails que dentro do cabível receberam resposta.
Frente a grande quantidade de correspondência e o conteúdo parecido foi possível selecionar algumas dúvidas que são esclarecidas a seguir. Leia também Respostas às perguntas frequentes.
Ao longo da leitura, poderá deparar com alguns assuntos "óbvios": se ali está, é porque alguém não achou tão óbvio assim.
Ao escrever pedindo explicações identifique-se: é importante completar o mail com seus dados pessoais; inclusive endereço, ou pelo menos a cidade de residência: muitas vezes a falta destes prejudica uma resposta completa e objetiva.
Qualquer que seja o programa que usa para enviar mail, configure-o corretamente: em muitos casos não é possível enviar resposta às mensagens recebidas por falta de remetente.
Os dados dos ancestrais também são importantes.
Quem responde as suas cartas, o faz com prazer e dentro dos seus conhecimentos (quando necessário, consulta outros), entretanto um pedido claro e objetivo será de grande ajuda.
Perguntas contendo notícias incompletas ou incorretas prejudicam gravemente uma pesquisa e a resposta, ao ponto de impedir o cumprimento do direito quando este existir.

Tem direito de adquirir Cidadania italiana todo descendente de italiano (pelo lado paterno) sem limite de geração.
Se a descendência for por lado materno lembre que " Mulher italiana transmite a cidadania a filhos nascidos a partir de 01/01/1948 ".
Os documentos necessários são aqueles elencados nas páginas de Documentos.

Até o momento, não são conhecidas agências, despachantes ou pessoas que possam providenciar os documentos (certidões) necessários e possuam credenciais das autoridades italianas (excluíndo patronatos).
Não acredite em pessoas que prometem milagres: poderão lhe tirar dinheiro além do necessário sem as vezes levar ao fim o prometido.
Existem por outro lado algumas associações que prestam serviços de ajuda: achar que tudo é "de graça", pode ser um abuso!
Procure o Consulado Geral da Itália, o Vice Cônsul ou Agente Consular da sua cidade.
Pode também procurar um Patronato, que poderá fornecer todos os esclarecimentos de que necessita e, se assim desejar, os documentos e traduções.

Em alguns casos a procura de uma certidão na Itália pode ser uma tarefa difícil: não desanime, mas seja claro e objetivo, tenha certeza do lugar e data de nascimento de seu ancestral (importante é a filiação).
A Itália tem mais de 8300 cidades, vilas e lugarejos; afirmar que seu ancestral nasceu em Roma, quando na realidade foi em Aprilia (cerca de 15 Km de Roma), é o mesmo que dizer que fulano nasceu em São Paulo, quando na realidade foi em São Bernardo.
Quem procura documentos em Roma, irá gastar tempo e dinheiro inutilmente (isto lhe será cobrado), pois eles estão ali a poucos quilômetros, em Aprilia.

Um mínimo de conhecimento da língua italiana será indispensável.
Durante o processo lidará com papelada em língua italiana, com pessoas de idioma italiano... ao fim será um cidadão italiano!

Excluindo os registros brasileiros sobre a imigração italiana da época (incompletos), não existe nenhum registro oficial; na realidade até hoje os dados oficiais divulgados sobre a emigração são estimativas.
Achar o nome de seu ancestral em listas de imigrantes poderá ser um acaso, nunca uma certeza.
É de frisar que, quando do desembarque, as vezes o imigrante era registrado do melhor jeito: vindo de Marghera (p/exemplo) era escrito Venezia (as duas estão cerca de 1 Km de distância !); se chamando Giuseppe Guidolin, era registrado como José Ghido (não é quase a mesma coisa?), bom, está errado!.
Banco de dados sobre imigração (nomes, datas e outros) em rede: até o momento não existem.

Fornecimento de documentos (certidões) através da rede: até o momento não existe.

Direitos e deveres do cidadão italiano: uma leitura da Constituição Italiana já é um bom início para conhecê-los.
(N.d.R.): na Constituição não está escrito, mas o conhecimento da língua e da cultura dos ancestrais é, pelo menos moralmente, a primeira obrigação de quem deseja assumir suas origens.
Não esqueça que, quando seu avo mudou para o Brasil, a primeira atitude que tomou, foi de aprenrer a língua brasileira e respeitar as leis do Brasil.

Enfim um conselho: nunca diga "quero o passaporte italiano" quando na realidade o que deseja é exercer o seu direito de ser cidadão italiano como era seu ancestral.
Assuma e tenha consciência da importância dos seus atos.
O passaporte, de todas, é a conseqüência de menor importância; afinal para sair do Brasil será sempre preciso o documento brasileiro.

Proprietà e diritti riservati © CIB